Web Toolbar by Wibiya Mensagem de Maria Teresa Franchini - Cartas - Chico Xavier

Jump to content

Bem-vindo ao site Chico Xavier
Crie sua conta agora para poder ter acesso a todas as funcionalidades e recursos. Para criar nova conta demora apenas alguns asegundos e vai poder criar tópicos responder a mensagens, interagir com outros usuários, baixar arquivos (downloads, apresentações, documentos,...) e muito mais!
Entrar em sua conta Criar nova conta agora

Mensagem de Maria Teresa Franchini

- - - - - Incêndio Edifício Joelma Comunicação c/desencarnados

  • Please log in to reply
No replies to this topic
Macili
  • Administrators
  • 2,708 posts
  • Advanced Member
  • Last active: Jul 01 2018 11:43 PM
  • Joined: 10 Nov 2012

Imagem Postada





MARIA TERESA FRANCHINI


Nascimento: 16 de dezembro de 1951
Desencarnação: 01 de fevereiro de 1974
Idade: 22 anos


ESCLARECIMENTOS:
Pais: Domingos Franchini e Philomena C. Franchini, residentes em São Paulo – SP.
Irmãos: Luiz Antonio, Celso, Ana Paula e João, irmão por adoção.
Avós: Philomena Alagia Cantisani, desencarnada há 36 anos. José Cantisano, desencarnado há 72 anos.


COMENTÁRIOS:
Viajando para Campinas, o casal Franchini, despreocupado seguia para um compromisso habitual.
Quando em viagem, muito raro ouviam rádio.
Dona Philomena, premiada por forte desejo, liga-o e a emissora sintonizada nesse instante noticiava que um prédio em São Paulo estava em chamas. Imediatamente ligou-se ao edifício em que sua filha trabalhava. Seu esposo, percebendo a sua preocupação, tentou desviar-lhe a atenção para uma bela paisagem.
Mais adiante, na altura da cidade de Jundiaí, a emissora tornava a informar com mais precisão, divulgando o nome do prédio em chamas. Tratava-se do Joelma. Sobressaltados com a informação, retornaram imediatamente.
Nesse retorno, em retrospectiva de horas antes, o Sr. Domingos lembrava: Com problemas no seu automóvel, pediu à Maria Tereza, sua filha que de passagem alertasse a oficina mecânica da urgência no conserto, pois precisavam viajar.
Nessa rememoração nos relatou que, raramente, voltava o seu olhar para acompanhar seus filhos. Nesse dia, lembra muito bem, voltou e ficou olhando Maria Tereza afastar-se, até dobrar a esquina da via pública, com um sentimento muito forte de amor para a sua filha.
   Estranhou muito essa sua atitude.
Em casa, Sr. Domingos e seu filho; começaram as buscas sem nada de positivo sobre Maria Teresa, pois as informações sobre o incêndio eram as mais desalentadoras.
Das relações dos hospitais fornecidos, todos foram percorridos, deixando-lhe como derradeiro final o necrotério.
Lá chegando, aproximou-se dos primeiros corpos divisando o de sua filha de longe.
Desmaiou com o choque e lembra apenas estar sendo socorrido por pessoas.
Em comentário, narra o Sr. Domingos as informações obtidas:
“Naquele dia, por qualquer tazão, o” Office boy “encarregado da correspondência não pode distribuí-la. Maria Tereza, como secretária na Crefisul, empresa de financiamentos, primava para chegar sempre antes do horário, principalmente nesse dia 1o de fevereiro de 1974, quando haveria, às 9 horas, uma reunião de diretoria”.
Sua sala de trabalho ficava próxima à porta de saída do referido edifício.
A pedido do seu encarregado, foi levar uma carta de importância para a referida reunião que se realizaria em andar superior.
Ao retornar, no elevador, foi alertada por uma companheira de que nos andares abaixo, havia princípio de fogo e muita fumaça.
Mostrou-se muito preocupada e logo se interessou pelos demais funcionários, principalmente aqueles que estavam trabalhando com as portas fechadas e não percebiam o que estava acontecendo.
Embora alertada para que não saísse do elavador, desvencilhou-se e saiu a avisar esses companheiros. Muitas pessoas testemunharam suas ações, quando tentava ajudar a acalmar os aflitos e desequilibrados.
As razões da existência humana, nos faz pensar em porque a desencarnaço é tão diferente de uma pessoa para outra.
Depois desse acontecido, os dias se tornaram mais longos e encharcar o travesseiro com lágrimas de fogo, tornou-se rotina para nós.
  Procurados por Dona Maria Odila Nunes Cardeal (Didi), ela apresentou-nos o casal Juracy Balbino e Tânia Castro Balbino, que nos auxiliaram muito, incentivando-nos à procura de Chico Xavier em Uberaba.
O desejo de estar frente a ele e a esperança de receber a mensagem, era a chama que nos alimentava. Em 24.5.1974, quase quatro meses após a desencarnação, recebemos a referida mensagem.
  De encontro com as nossas constantes indagações, a mesma informou e esclareceu pensamentos intimos, descobrindo o véu da incerteza.
  Esta confirmação está configurada nas palavras de nossa filha e, o que nos chamou a atenção, foi o fato de serem mencionados parentes há muito tempo desencarnados e que naquele momento a estavam auxiliando muito.
Quem seria Ernesto, do qual não tínhamos conhecimento?
Chico verbalmente nos esclarecia as dúvidas e dizia: - Ernesto é da família Simioni. Vocês conhecem alguém com esse sobrenome?
Ficamos espantados com a informação: - Simioni é o sobrenome de nosso filho João Simioni, que trouxemos para junto de nós ainda muito pequeno. Por isso, nosso espanto, nome desconhecido para o Chico.
Eis a razão por que carinhosamente Maria Teresa o chamava de “tio” e que a ajudava.
Em pesquisa, depois de algum tempo, viemos a descobrir que “Tio Ernesto” era realmente familiar de João, desencarnado em Belo Horizonte.


MENSAGEM DE MARIA TERESA  
  
Minha querida Mamãe, meu Pai, bênção peço ainda e sempre.
  Estou ainda muito abatida, muito doente mesmo. Embora o que aconteceu não fosse enfermidade, mas refiro-me aos resultados.
  Tudo foi assim igual a um pesadelo.
Não creio que um de nós possa contar o que sucedeu. Cada um teria um modo diverso de se expressar.
Mas tantas coisas aconteceram de uma vez, que estou sem a possibilidade de separar os fatos e as lembranças.
Provavelmente, saberei mais tarde.
Quero apenas pedir aos meus pais queridos consolo e resignação.
Não sei. Vim para onde estou, sem experiência da vida. Mas penso que devíamos ter mais preparo a fim de suportar aquelas horas de provação.
Estamos na estaca zero, Mãezinha. Vocês choram e eu também. Vocês se prendem à filha que precisa libertar-se, e, de minha parte, prendo-me à família querida que não devo e nem posso prender a mim.
Ajudem-me, peço! Peço lembrando a nossa fé em Deus. As lágrimas de casa me fazem viver uma tempestade. Tudo por dentro de mim, nos meus pensamentos e sentimentos.
Fui recolhida por um grande amigo que disse ser meu avô Cantizani e um anjo, que é minha avó Philomena, me ampara como sendo a continuidade de minha querida Mãe. Entretanto, por mais me esforce, acabo esbarrando em casa.
Isso quase sempre.
Penso muitas saídas e só encontro um lugar para me recolher, nosso lar feliz que se transformou num lugar de imensa tristeza.
Venho pedir-lhes amparo. Preciso sair de mim mesma e compreender o que se passou. E preciso ajudar para ser ajudada.
Papai e Mãezinha, a hora é dos que ficaram. Penso em nosso Luiz Antonio, em nosso Celso, no João, em todos.
Sinto Ana Paula em meus braços, quero falar, consolá-los, dizer que o fogo não destruiu nenhum de nós, mas, e, as lágrimas que choramos?
Tenho ouvido muitos amigos e visto muitos outros, todos buscando refazimento... Entretanto, creio que a maioria estará qual eu mesma, guardando fé em Deus e confiança na vida, mas atormentados pela dor e pela aflição dos entes queridos.
Mãezinha; ore como no outro tempo, com aquela certeza ardente de que Deus existe e de que nada acontece por acaso.
Não me pergunte mais porque sucedeu o que vimos. Eu não saberia dizer, mas posso afirmar que ninguém teve culpa. Quem teria coragem e mesmo poder para articular aqueles quadros?
Estamos debaixo de leis que não conhecemos e só a compaixão uns pelos outros conseguirá melhorar-nos. Digo assim, porque ouço todos os dias daqueles que nos procuram nas celas de recuperação em que nos achamos, auxiliando-nos as forças. Auxílio aos que ficaram, para que haja auxílio aos que vieram.
Por isso, queridos, meus queridos pais, rogo para que me venham a enxugar o pranto que nos corre do coração. Lembro-me de todos, mas estou ainda insegura. Tenho receio de falar o que não devo e exceder-me em palavras que não conduzam reconforto e esperança. É muita coisa para pensar e estou assim dominada pela angústia dos meus.
Não me procurem nas lembranças materiais. Nem fiquem recordando a forma que teria ficado.
Preciso da imagem do que fui e do que sou para ser eu mesma, em vocês, porque as figurações que fazem me alcançam e me obrigam a pensar em deformação.
Perdoem—me se peço isso. Se não fosse verdade o que vejo e sinto em mim pelo que vocês sentem e procuram ver a meu respeito, eu não diria.
Compreendo que tudo agora pesa muito no que eu possa falar e devo falar somente no melhor que deve ser dito e ouvido.
Mãezinha querida, meu querido papai, meus amigos abençoados, auxiliem-me com as orações e com as boas lembranças. Estamos num dia novo e, mais tarde, estaremos mais unidos na compreensão verdadeira de tudo.
Meu pai e minha mãe; abençoem-me. Procurem viver com alegria e paz. Lembremo-nos da bondade infinita de Deus sobre nós e saibamos ser agradecidos.
Meu tio Ernesto ajuda-me escrever e outros amigos me amparam.
Preciso esquecer o que sucedeu para criarmos um futuro sempre mais belo. Com Deus seremos sempre felizes.
Querida Mãezinha, meu querido papai; recebam um beijo com as muitas saudades e com muito carinho da filha agradecida.

Maria Teresa.

(Da Obra “Viveremos Sempre” – Autores: Espíritos Diversos – Psicografia: Francisco Cândido Xavier - Produção: Rubens Silvio Germinhasi - Digitado Por: Lúcia Aydir)






Also tagged with one or more of these keywords: Incêndio Edifício Joelma, Comunicação c/desencarnados

0 user(s) are reading this topic

0 members, 0 guests, 0 anonymous users