Web Toolbar by Wibiya Um minuto com Chico Xavier... - Histórias - Chico Xavier

Ir para conteúdo

Bem-vindo ao site Chico Xavier
Crie sua conta agora para poder ter acesso a todas as funcionalidades e recursos. Para criar nova conta demora apenas alguns asegundos e vai poder criar tópicos responder a mensagens, interagir com outros usuários, baixar arquivos (downloads, apresentações, documentos,...) e muito mais!
Entrar em sua conta Criar nova conta agora

Um minuto com Chico Xavier...

- - - - - Respeito pela Igreja Católica

  • Por favor, faça o login para responder
Não há respostas para este tópico
Macili
  • Administrators
  • 2.713 posts
  • Advanced Member
  • Last active: Ago 12 2018 07:04
  • Joined: 10 Nov 2012

Imagem Postada





Todos sabem do profundo respeito que Chico detinha pela Igreja Católica, de onde tirou toda a sua primeira formação religiosa e onde se dedicou empenhadamente, auxiliando como evangelizador de crianças, que, naquela época, era conhecido como catecismo.


Quando abraçou o Espiritismo e o farol de luz do Consolador banhou seus conhecimentos e sua vida, ao contrário de muitos, nunca deixou de respeitar sua primeira formação religiosa.


Ouçamos um caso relatado pelo jornal “A Flama Espírita”, de Uberaba, do mês de agosto do ano 2000 (retirado da internet – estante literária da Espírita Vox):


– Contou-nos o prof. Lauro Pastor, residente em Campinas, amigo de Chico Xavier desde Pedro Leopoldo, que certa vez, ao visitá-lo, caminhando em sua companhia pelas ruas da cidade, se depararam com uma procissão... A Igreja matriz de Pedro Leopoldo ficava, como fica, na mesma rua onde se ergueu o Centro Espírita Luiz Gonzaga; à época, os católicos organizavam algumas procissões ditas de desagravo contra os espíritas.


Observando que a procissão, com diversos acompanhantes e andores, se aproximava, o prof. Lauro sugeriu a Chico que apressassem o passo, pois, caso contrário, não poderiam depois atravessar a rua, a menos que cortassem a procissão pelo meio, o que seria uma afronta.


Pedindo ao amigo que não se preocupasse, Chico parou na esquina e, enquanto a procissão seguia o seu roteiro, manteve-se o tempo todo em atitude de respeito e de oração, ainda convidando o amigo para que ambos se descobrissem, ou seja, tirassem o chapéu – sim, porquanto, naqueles idos de 1950, Chico também usava chapéu.


O prof. Lauro, que mantém ao lado da esposa, D. Daisy, um belíssimo trabalho de formação profissional para crianças carentes – tem uma escola de torneiros mecânicos –, disse-nos que nunca mais pôde esquecer aquela lição de tolerância religiosa que lhe foi dada por Chico, enfatizando ainda que foi dessa maneira que, aos poucos, o médium venceu a resistência de seus opositores da Doutrina.




por José Antônio Vieira de Paula

Fonte: O Consolador - Um Minuto com Chico Xavier






0 usuário(s) está(ão) lendo este tópico

0 membros, 0 visitantes, 0 membros anônimos