Web Toolbar by Wibiya Entrevista com Chico Xavier - Depoimentos - Chico Xavier

Ir para conteúdo

Bem-vindo ao site Chico Xavier
Crie sua conta agora para poder ter acesso a todas as funcionalidades e recursos. Para criar nova conta demora apenas alguns asegundos e vai poder criar tópicos responder a mensagens, interagir com outros usuários, baixar arquivos (downloads, apresentações, documentos,...) e muito mais!
Entrar em sua conta Criar nova conta agora

Entrevista com Chico Xavier

- - - - -

  • Por favor, faça o login para responder
3 respostas neste tópico
Macili
  • Administrators
  • 2.708 posts
  • Advanced Member
  • Last active: Jul 01 2018 11:43
  • Joined: 10 Nov 2012
Imagem Postada


P - Qual a situação do Espiritismo no momento, no Brasil e no mundo?
R - O Espiritismo no Brasil ‚ o Cristianismo Redivivo. Religião‚ ação de Nosso Senhor Jesus Cristo, através das explicações de Allan Kardec, junto do povo e com o povo, ensinando-nos com os princípios da evolução e da reencarnação, da fraternidade e da justiça, que todos somos
responsáveis pelos próprios atos e que as leis divinas funcionam na Terra ou em outros mundos, nos mecanismos da consciência de cada um. Os benfeitores desencarnados esperam que essa noção fundamental do Espiritismo no Brasil alcance as múltiplas escolas do Espiritismo, existentes e outros países.


P - Relacione nomes dos médiuns que considera como os que mais trabalham.
R - Admiramos profundamente todos os companheiros da mediunidade que respeitam as funções em que foram situados pelas exigências da construção espírita-cristã.


P - Qual a sua missão pessoal?
R - Sinto-me na maravilhosa máquina do serviço espírita, … feição de insignificante peça de emergência, precisando repelões e consertos constantes pelas imperfeições que traz.


P - Qual a sua obrigação para com a sociedade?
R - O dever comum de servir na medida de nossas possibilidades.


P - E para com o Espiritismo?
R - Corrigir meus defeitos e fazer aos outros o que desejo para mim mesmo.


P - Acredita na regeneração?
R - Sim.


P - E no arrependimento?
R - Também.


P - A velhice o preocupa?
R - Não.


P - Acha-se mais lúcido?
R - Quanto mais os bons espíritos escrevem por meu intermédio, fazendo luz, mais reconheço a extensão de minha ignorância pessoal.


P - Como encara a morte?
R - Mudança completa de casa, sem mudança essencial da pessoa.


P - Seus últimos trabalhos de psicografia são mais importantes do que os anteriores?
R - Os livros produzidos mediunicamente por meu intermédio pertencem aos autores desencarnados e o julgamento em torno deles, a meu ver, é função do público e não minha.


P - Defina, por favor, o que é um médium, o que é psicografia, e como se explica a existência de Deus.
R - Acreditamos que para melhores esclarecimentos sobre médiuns e mediunidade, as obras de Allan Kardec devem ser consultadas e estudadas. Com todo o nosso respeito aos entrevistadores,devemos dizer que solicitar de nós uma explicação sobre Deus ‚ é o mesmo que pedir a um verme para que se pronuncie quanto a natureza do sol, embora o verme, se pudesse falar, diria como toda certeza da veneração e do amor que consagra ao sol que lhe garante a vida.


P - A cultura é essencial para uma pessoa ser médium?
R - A mediunidade pode manifestar-se através da pessoa absolutamente inculta, mas os bons espíritos são de parecer que todos os médiuns são chamados a estudar, a fim de servirem com mais segurança.


P - Pretende atingir novos objetivos? Quais seriam eles?
R - Grande misericórdia me fará a Providencia Divina permitindo-me a possibilidade de continuar trabalhando e aprendendo.


P - Tem carro?
R - Não.


P - Quantos empregados?
R - Nunca os tive.


P - Sente-se forte?
R - As vezes.


P - Com o mesmo entusiasmo de sempre?
R - Sim.


P - Com quem faz o tratamento dos olhos?
R - Médicos distintos e humanitários, tanto quanto benfeitores espirituais incansáveis, há mais de 20 anos, auxiliam-me a conservar o resto de visão física que possuo.


P - Sente dores?
R - Comumente.


P - Enxerga com dificuldade?
R - Sim.


P - Espera curar-se?
R - Do ponto de vista orgânico, recebo minha antiga enfermidade do corpo como sendo débito de outras encarnações, que devo pagar com paciencia.


P - A cegueira seria uma tragédia?
R - Seria uma provação, sem ser uma tragédia.


P - Diga um exemplo de algo que o faça sofrer.
R - Ofender ou prejudicar alguém.


P - Prefere a solidão?
R - A solidão é boa só para refletir, porque, sem dúvida, fomos criados para viver uns com os outros.


P - É preciso acabar com a pobreza?
R - Sim, pela riqueza do trabalho honesto que devemos cultivar indistintamente.


P - As reformas devem ser urgentes?
R - Em matéria de reformas, os benfeitores espirituais me ensinam que não devo esquecer primeiramente as que se referem … melhoria de mim mesmo.


P - A revolução deve ser evitada?
R - A revolução em que acredito ‚ aquela ensinada por Nosso Senhor Jesus Cristo, que começa pela corrigenda de cada um, na base do "façamos aos outros aquilo que desejamos que os outros nos façam".


P - O socialismo traz benefícios?
R - Creio nos benefícios da fraternidade sentida, admitida e praticada que Jesus nos ensinou e exemplificou.


P - É a favor da promoção da classe operária?
R - Todos somos operários da vida e creio que a bondade de Deus faz diariamente a promoção do trabalho para quem o procura, coroando de benção o esforço honesto de toda pessoa, sem distinção de credos ou de atribuições, que busque realmente servir.


P - Onde passa as férias?
R - Dizem que os aposentados estão em férias permanentes, mas prossigo trabalhando nas tarefas espíritas com o entusiasmo de sempre.


P - Quando tem férias?
R - De raro em raro, consigo alguns dias de relativo repouso físico para refazimento.


P - Durante quanto tempo?
R - Nunca mais de 20 dias por ano.


P - Como recebe os ataques que lhe são feitos?
R - Como avisos preciosos contra as imperfeições que carrego.


P - Acredita que tenha inimigos?
R - Acredito que tenha amigos que ficaram diferentes quando reconheceram que não sou a pessoa ideal que eles julgavam que eu fosse.


P - Quais seus escritores preferidos?
R - Admiro todos os escritores bastante corajosos para esquecerem as conveniencias pessoais, procurando escrever em auxílio real dos seus leitores.


P - Gosta de cinema? Qual o genero de filmes?
R - Sim. Filmes que nos façam sentir melhores.


P - Acha que o cinema tem o direito de alterar a realidade?
R - Sim, quando se trata da educação do sentimento popular, pois não acredito que Deus nos conduza a conhecer a realidade para rebaixar-nos.


P - Cite artistas de que goste.
R - Respeito todos os artistas que auxiliam o povo a pensar e a agir para o bem comum.


P - Ouve musica? Quais os compositores que prefere?
R - Tanto quanto poss¡vel. Dos antigos, admiro profundamente Beethoven e Mendelssohn, sem esquecer o amor que consagramos aos compositores nossos, como sejam Villa-Lobos e, na musica popular, o nosso inesquecível Noel Rosa.


P - Descreva, por favor, como passa o dia.
R - Meu dia é demasiadamente vulgar para ser descrito.


P - O que come habitualmente? Quais os seus pratos preferidos?
R - Refeição comum do interior brasileiro. Não tenho predileções.


P - O que bebe?
R - Agua.


P - A que horas almoça?
R - Meio-dia.


P - Dorme depois do almoço?
R - Não.


P - A que horas é o seu jantar?
R - Depois dos quarenta, deixei o hábito de jantar.


P - Faz algum regime?
R - Os amigos espirituais ensinam que devemos comer só para viver, entretanto, estou aprendendo a lição vagarosamente.


P - A que horas se levanta?
R - Sete.


P - O que faz de manhã?
R - Trabalho com os amigos espirituais, seja psicografando ou revendo com eles as páginas de autoria deles mesmos, sempre com a assistencia de Emmanuel, o instrutor espiritual que me orienta as faculdades mediúnicas, desde 1931.


P - O que faz à tarde?
R - Nas horas da tarde, além do tratamento ocular, atualmente ocupo-me de correspondencia usual, de datilografia das páginas escritas pelos benfeitores espirituais por meu intermédio, sob a orientação deles, … exceção dos domingos que dedico ao trabalho de correspondencia mais íntima.


P - O que faz à noite?
R - Nas segundas, sextas e sabados, estou em contato com o público, nas reuniões da Comunhão Esp¡rita Cristã, em Uberaba, habitualmente das 19:00h até a madrugada. Nas noites de quarta feira coopero nas reuniões íntimas de desobsessão,a mesma organização espírita que me referi. Nas noites de terça e quinta feiras, trabalho com Emmanuel e outros orientadores espirituais na formação livros mediúnicos e as noites de domingo faço uma pausa, para estudar os assuntos gerais da semana ou descansar os olhos da atividade intensiva.


P - A que horas se deita?
R - Nunca antes das 2 da madrugada.


P - Tem sonhos?
R - Graças a Deus que todos temos neste mundo a felicidade de sonhar.
Creio que Deus, em sua infinita bondade nos reservou o sonho como sendo
um direito de toda a criatura, no qual nenhuma outra criatura consegue
interferir. .


Fonte: Espiritismo Cristão


Macili
  • Administrators
  • 2.708 posts
  • Advanced Member
  • Last active: Jul 01 2018 11:43
  • Joined: 10 Nov 2012

Imagem Postada




Entrevista com Chico Xavier





INFORMAÇÃO - Chico, lembra-se de sua primeira participação na primeira atividade espírita a que assistiu e qual foi essa tarefa?


Chico -  Recordo-me. Minha primeira tarefa espírita foi a prece que se fez em torno de minha irmã doente, no próprio quarto em que ela se achava.





INFORMAÇÃO - Quem tomara a iniciativa dessa reunião de cura?


Chico - Nosso amigo Sr. José Hermínio Perácio, que veio de Maquiné, localidade próxima da cidade de Curvelo, em Minas, mais de cem quilômetros distantes de Pedro Leopoldo, atendendo ao pedido de meu pai que o conhecia por amigo e espírita-cristão, a fim de socorrer minha irmã, então em estado grave;





INFORMAÇÃO - E sua irmã curou-se imediatamente?


Chico - Desde a primeira reunião de preces e passes, na manhã de 7 de maio de 1927, ela se restabeleceu e, até hoje, é uma valorosa companheira na Seara Espírita Evangélica.





INFORMAÇÃO - Quais os primeiros espíritas que conheceu?


Chico - Nossos irmãos José Hermínio Perácio e sua esposa D. Carmen Pena Perácio, com os quais me iniciei no conhecimento da Doutrina Espírita e na mediunidade e diante de quem sou um espírito eternamente devedor pelo bem que me fizeram.





INFORMAÇÃO - De que modo o casal Perácio iniciou você no Espiritismo?


Chico - Explicando-me o que eu sentia, em matéria de mediunidade, desde a infância, quando fiquei órfão de mãe, aos cinco anos de idade, amparando-me em minhas necessidades espirituais, ensinando-me a orar e presenteando-me com "O Evangelho, Segundo o Espiritismo" e "O Livro dos Espíritos", de Allan Kardec, os dois livros que me deram os alicerces de minha fé espírita-cristã e me orientaram para aceitar a mediunidade e respeitar os Bons Espíritos.





INFORMAÇÃO - Disse você que sentia fenômenos mediúnicos desde criança. Poderia especificá-los?


Chico - Sim. No quintal da casa em que eu morava, via freqüentemente minha mãe desencarnada em 1915 e outros Espíritos, mas as pessoas que me cercavam então não conseguiam compreender minhas visões e notícias, e acreditavam francamente que eu estivesse mentindo ou que estivesse sob perturbação mental. Corno experimentasse muita incompreensão, cresci debaixo de muitos conflitos íntimos, porque de um lado estavam as pessoas grandes que me repreendiam ou castigavam, supondo que eu criava mentiras e do outro lado estavam as entidades espirituais que perseveravam comigo sempre. Disso resultou muita dificuldade mental para mim, porque eu amava os espíritos que me apareciam, mas não queria vê-los para não sofrer punições por parte das pessoas encarnadas com quem eu precisava viver.





INFORMAÇÃO - Em que condições você recebeu a primeira mensagem psicográfica?


Chico - Estávamos em reunião pública e depois da evangelização D. Carmern Perácio, médium de muitas faculdades, transmitiu a recomendação de um benfeitor espiritual para que eu tomasse o lápis e experimentasse a psicografia. Obedeci e minha mão de pronto escreveu dezessete páginas sobre deveres espíritas... Senti alegria e susto ao mesmo tempo. Tremia muito quando terminei.





INFORMAÇÃO - Qual era o espírito comunicante?


Chico - Não se identificou. Apenas assinou "um espírito amigo".





INFORMAÇÃO - Essa mensagem ainda existe?


Chico - Temos um grande arquivo de mensagens psicografadas em Pedro Leopoldo, mas não creio possa ser encontrada. De 1927 a 1931 , recebi centenas de mensagens que foram inutilizadas, depois, a pedido do Espírito de Emmanuel, que passou a dirigir-nos de 1931 para cá. Disse ele que essas mensagens apenas se destinavam aos nossos exercícios de psicografia.





INFORMAÇÃO - A quem pertencem os direitos autorais das dezenas de livros psicografados por você?


Chico - Todos estes livros estão com os direitos doados às instituições espíritas do Brasil que os editam; em maior número com a Federação Espírita Brasileira, sediada no Rio de Janeiro, e na Comunhão Espírita Cristã, sediada em Uberaba. Os direitos autorais pertencem a essas instituições e outras instituições espíritas que os publicaram.





INFORMAÇÃO - Chico, na próxima encarnação, você gostaria de ser médium?


Chico - Se Jesus quiser...





INFORMAÇÃO - E se Jesus quiser?


Chico - Então, pediria a Ele, Nosso Divino Mestre, a felicidade de recomeçar a tarefa, tal qual tenho tido o meu pequenino setor de ação, nas mesmas experiências e nas mesmas circunstâncias, porque quanto mais avanço na idade física mais amigos e bênçãos vou encontrando...





INFORMAÇÃO - O que é ser espírita?


Chico - Ser espírita, segundo Allan Kardec, o Codificador da Doutrina Espírita, é ser o cristão genuíno, com a obrigação de pautar a vida pelos ensinamentos de Nosso Senhor Jesus Cristo, dentro da liberdade de raciocinar e discernir no campo da própria fé.





INFORMAÇÃO - Compreendendo que você começou com a mediunidade em 1927, como conseguiu perseverar com a mesma idéia no espaço de 50 anos?


Chico -  Desde o princípio da mediunidade, os espíritos me habituaram à convivência com eles. Acredito que isso ocorreu dessa convivência pois, desde os cinco anos de idade, quando perdi minha mãe no plano material, sinto-me em contacto com os espíritos desencarnados. A princípio na Igreja Católica e depois, mais tarde, desde 1927, no Espiritismo propriamente considerado. Creio que foi a convivência com os amigos espirituais. Eles - como por misericórdia - me controlaram, me ajudaram a compreender a obrigação de atendê-los. Desse modo, essa perseverança não é devida a mim, mas à influência deles.





INFORMAÇÃO - Qual foi a experiência mais valiosa que o exercício da mediunidade lhe trouxe?


Chico - O reconhecimento de minha inferioridade e o encontro constante com as minhas imperfeições Quanto mais os Instrutores Espirituais escrevem, por meu intermédio, mais claramente observo a distância espiritual que me separa deles.

Quanto mais corre o tempo sobre o trabalho dos Mentores do Além através de minhas pobres forças, mais me vejo na condição da laranjeira de má qualidade providencialmente cortada para serviços de enxertia. Os frutos no galho são substanciosos e doces porque pertencem à laranjeira nobre que não desdenhou produzir sobre o pé da laranja azeda.





INFORMAÇÃO - Alguma vez, o exercício da mediunidade impediu o cumprimento do seu dever?


Chico -  Não. Aliás, devo dizer que através do exercício da mediunidade, os Amigos Espirituais sempre me auxiliaram para que eu fosse fiel às minhas obrigações.





INFORMAÇÃO - Você acha que a prática da mediunidade encontra obstáculos por parte das forças espirituais inferiores que nos cercam?


Chico -  Sim. Acredito que isso acontece não só na prática mediúnica, mas em todo lugar da Terra onde aparece a luz de Nosso Senhor Jesus Cristo. Basta que o Evangelho surja aqui ou ali, derramando as claridades eternas, para que a sombra do mal se destaque em desafio. Compete a nós todos confiar em Jesus e trabalhar sempre em Sua Seara de amor e de redenção.





INFORMAÇÃO - Como uma pessoa pode notar que é dotada de mediunidade, quais as vantagens espirituais oferecidas pela mesma, e como essa pessoa deve proceder?


Chico -  A mediunidade é peculiar a toda criatura humana; todas as pessoas são portadoras de valores mediúnicos que podem ser cultivados ao máximo, desde que a criatura se dedique a esse gênero de trabalho espiritual. De modo que, muitas vezes, encontramos uma certa dificuldade no problema mediúnico dentro da Doutrina Espírita. De modo geral, a pessoa só se diz médium quando se sente vinculada a um processo obsessivo; quando sente arrepios, muita perturbação, muito assédio, muita angústia, então se diz que essa pessoa é médium. Bem, aí já é médium assediado, médium doente. A mediunidade está enferma. Mas a pessoa sem plenitude dos seus valores físicos, pode perfeitamente estudar a própria mediunidade e ver qual o caminho que suas faculdades mediúnicas podem tomar. Uma criatura que desenvolva a sua própria mediunidade, desenvolve-a educando-se, procurando aprimorar a sua capacidade cultural, os seus valores, vamos dizer, os seus valores de experiência humana, os seus contatos no campo da humanidade, o seu dom de servir; essa criatura encontra na mediunidade, um campo vastíssimo de trabalho e de felicidade, porque a felicidade verdadeira vem do trabalho bem aplicado, daquele trabalho que se constitui um serviço pelo bem de todos. E o médium, dentro da Doutrina Espírita é uma criatura não considerada fora de série de criaturas humanas. O médium é um ser humano, com as fraquezas e as perfeições potenciais de toda a criatura terrestre. Então, a Doutrina Espírita é Mãe Generosa porque acolhe a criatura humana e faz dela um médium, mesmo que tenha muitos erros e muitos acertos, mas, depois, do curso do tempo, os acertos vão abafando os erros e a criatura pode terminar a existência com grande merecimento. Porque pelo trabalho na mediunidade, trabalho pelo bem comum, ela vence esse peso, que é o mais importante no mundo. Vencer a nós mesmos do ponto de vista das tendências inferiores que estejamos carregando. Falo isso a meu respeito, porque não creio que ninguém carregue tanta imperfeição como eu...





INFORMAÇÃO - Qual foi a maior alegria em sua vida mediúnica?


Chico - Por acréscimo de misericórdia do Alto, tenho tido muitas alegrias em minha vida mediúnica. Não posso, no entanto, esquecer que uma das maiores, se verificou no término da psicografia do livro "Paulo e Estevão", de Emmanuel, em julho de 1941, quando os benfeitores desencarnados me permitiram contemplar quadros do M undo Espiritual que ficaram para mim inesquecíveis. Outra grande emoção que experimentei foi a ida, em espírito, em companhia de Emmanuel e André Luiz até a região suburbana de "Nosso Lar", em Agosto de 1943, acontecimento esse que se deu, não por merecimento de minha parte, mas para que, em minha ignorância, eu não entravasse o trabalho de André Luiz, por meu intermédio, de vez que eu estava sentindo muita perplexidade, no início da psicografia do primeiro livro dele, através de minhas pobres faculdades.





INFORMAÇÃO - Quem trabalha tanto e trabalhou tanto até agora, nada recebe pelo seu trabalho?


Chico - Graças a Deus, nunca entrou em nossas cogitações receber qualquer remuneração pelos livros psicografados, que os nossos amigos espirituais consideram como sendo um depósito sagrado. Mas é preciso que eu me explique: tenho tido uma compensação muito maior que aquela que pudesse vir ao meu encontro através do dinheiro: é a amizade. O Espiritismo e a mediunidade trouxeram-me amigos tão queridos, que me dispensam tanto carinho, que eu me considero muito mais feliz com estes tesouros do coração, como se tivesse milhões à minha disposição.





INFORMAÇÃO - Pretende atingir novos objetivos?


Chico - Grande misericórdia me fará a Providência Divina permitindo-me a possibilidade de continuar trabalhando e aprendendo.





- continuação -



Macili
  • Administrators
  • 2.708 posts
  • Advanced Member
  • Last active: Jul 01 2018 11:43
  • Joined: 10 Nov 2012

Imagem Postada





Entrevista com Chico Xavier




INFORMAÇÃO - Como você explica que até hoje nenhum cientista tenha feito urna prova científica, unanimemente aceita, dos fenômenos espirituais?


Chico -  Nós, encontramos sempre um conflito entre ciência e religião. A religião caminha para Deus, ensinando; a ciência caminha para as novidades de Deus, estudando. As discussões se formam e a prova experimental do espírito do ponto de vista científico, é sempre mais difícil. Mas essa prova está sendo organizada pela própria ciência nos dias de hoje (...) . Estamos caminhando... Mas, também do ponto de vista religioso, você pode imaginar a reviravolta que vai haver no mundo, quase que uma violência do mundo espiritual em desfavor da Terra, se tivermos, de um dia para outro, uma demonstração tão autêntica que atinja as raias da violência? Isso não seria construtivo. Naturalmente, está no plano da Vida Superior preparar a nós outros, pouco a pouco, através de nossas experiências e de nossas provas, para o conhecimento mais exato da sobrevivência além da morte. Estamos convencidos de que a Parapsicologia, sem nenhuma idéia de fanatismo, como ciência pura de observação, alcançará resultados compensadores dentro de muito breve tempo. Sempre que a ciência entra em conflito com a religião ou crie qualquer problema de fanatismo dentro dela, essa prova a que nos referimos, vai ficando cada vez mais remota. Esperemos porém, confiantemente o futuro, porque precisamos da certeza de que a vida continua, certeza em favor de todos.




INFORMAÇÃO - A que você atribui a taxa sempre crescente de doentes mentais?


Chico - Os Espíritos que se comunicam, são unânimes em afirmar que essa taxa crescente de perturbações, na atualidade, decorre do desequilíbrio existente entre as nossas conquistas de ordem científica e o atraso dos nossos sentimentos. Existe grave desequilíbrio na balança cérebro-coração. A medida que o progresso nos exonera as mãos de maior esforço, mais amplamente estamos a sós conosco nos caminhos da vida. Com isso faceamos certas dificuldades para nos suportarmos, do ponto de vista individual, sem perturbações, porque estas perturbações são conseqüentes à nossa incapacidade de responder, do ponto de vista emocional, à evolução da inteligência. Isso cria tomadas de obsessão ou desarmonias mentais muito grandes, reconhecendo-se que ainda cultivamos certa espécie de amor extremamente possessivo na Terra. Falamos do ponto de vista coletivo. Esse amor possessivo gera em nós processos lamentáveis de ciúme e desesperação, que muitas vezes nos induzem à delinqüência confessa. Quando encontramos um caminho de libertação espiritual, através do respeito que devemos uns aos outros, na condição de jovens e de adultos, entendendo-se que cada um de nós é um mundo por si e que cada qual de nós é chamado a exercer tarefa específica sobre a Terra, então muitos dos nossos problemas alusivos à perturbação mental estão praticamente eliminados. Isso ocorrerá, porque estaremos em condições de responder com altura de sentimento à elevação das novas descobertas que nos impelem a crer que a Terra é, realmente, para nós todos, um mundo maravilhoso. A dificuldade ou a perturbação residem, efetivamente, em nós mesmos.




INFORMAÇÃO - O que dizem os benfeitores espirituais sobre os tratamentos realizados por via mediúnica, que utilizam os recursos de Medicina Oficial (principalmente drogas alopáticas e tratamento cirúrgico), com vistas aos possíveis riscos de falha mediúnica?


Chico - Acreditamos que o problema da cura espiritual, conforme a própria expressão, é assunto pertinente à fé com que recebamos os processos de auxílio do Mundo Maior. As curas espirituais, por isso mesmo, são capazes de surgir em qualquer setor religioso, no qual a mente humana se expresse com absoluta confiança nos poderes superiores que governam a vida. Acreditando nisso, estamos convencidos de que todas as pessoas que recorrem à oração, estão munidas de um poder cuja extensão, por enquanto na Terra, não conseguimos avaliar. Quanto aos companheiros da mediunidade que se dediquem às curas de ordem física, impulsionados por Espíritos de médicos desencarnados, cremos que deveriam ou deverão solicitar o concurso de médicos encarnados dispostos a auxiliá-los em semelhante mister para que os nossos companheiros não permaneçam sozinhos ou quase que aparentemente sozinhos em tais experiências, mais fenomênicas do que doutrinárias propriamente consideradas.




INFORMAÇÃO - Como entender as doenças incuráveis, à luz do Espiritismo?


Chico - Doenças incuráveis, à luz do Espiritismo, estão arraigadas às nossas necessidades de aprendizado e evolução, resgate e aperfeiçoamento, nos campos da reencarnação e os Instrutores da Espiritualidade acrescentam que a Ciência e a Religião operam no Planeta, sob a inspiração da Providência Divina, para amenizar, diminuir, sustar ou extinguir as provações dos homens, conforme a necessidade e o merecimento de cada um.



INFORMAÇÃO - O suicídio é conseqüência de fatores psicológicos em desagregação ou de influências espirituais em evolução?


Chico - Todos sabemos: cada espírito é senhor do seu próprio mundo individual. Quando perpetramos a deserção voluntária dos nossos deveres, diante das leis que nos governam, decerto que imprimimos determinadas deformidades no corpo espiritual. Essas deformidades resultam das causas cármicas estabelecidas por nós mesmos, pelas quais sempre recebemos de volta os efeitos das próprias ações.

Cometido o suicídio nessa ou naquela circunstância, geramos lesões e problemas psicológicos na própria alma, dificuldades essas que seremos chamados a debelar na próxima existência, ou nas próximas existências, segundo as possibilidades ao nosso alcance. Assim, formamos, com um suicídio, muitas tentações a suicídio no futuro, porque em nos reencarnando, carregamos conosco tendências e inclinações, como é óbvio, na recapitulação de nossas experiências na Terra. Quando falamos "tentações" não nos referimos a esse tipo de tentações que acreditamos provir de entidades positivamente infelizes, cristalizadas na perseguição às criaturas humanas. Dizemos tentação oriunda de nossa própria natureza. Sabemos que a tentação em si, na verdadeira acepção da palavra, nasce dentro de nós. Por isso mesmo poderíamos ilustrar semelhante argumento lembrando um prato de milho e um brilhante de alto preço; levado o brilhante de alto preço à percepção de um cavalo. por exemplo, é certo que o eqüino não demonstraria a menor reação; mas em apresentando a ele o prato de milho, fatalmente que ele reagirá, desejando absorver a merenda que lhe está sendo apresentada. Noutro ponto de vista, um homem não se interessaria por um prato de milho, no entanto se interessaria compreensivelmente pelo brilhante. Justo lembrar que a tentação nasce dentro de nós. Quando cometemos o suicídio, plasmamos causas de sofrimento muito difíceis de serem definitivamente extirpadas. Por isso, muitas vezes, os irmãos suicidas são repetentes na prova da indução ao suicídio, descendo desprevenidos, à desconsideração para consigo próprios. Benfeitores da Vida Maior são unânimes em declarar que, em todas as ocasiões nas quais sejamos impulsionados a desertar das experiências a que Deus nos destinou na vida terrestre, devemos recorrer à oração, ao trabalho, aos métodos de autodefesa e a todos os meios possíveis da reta consciência, em auxílio de nossa fortaleza e tranqüilidade, de modo a fugirmos de semelhante poço de angústia.




INFORMAÇÃO - No estado comatoso há momentos de lucidez plena ou apenas intervalos intermitentes?


Chico -  No caso da lucidez no estado comatoso, segundo os Amigos Espirituais nos inspiram a fim de que a nossa palavra possa ser ouvida, isso varia muito de acordo com as criaturas, segundo os graus de espiritualidade superior ou de mergulho da mente nas impressões da vida material. Na maioria das ocasiões, quando partimos do Plano Físico obedecendo aos ditames de enfermidade longa e laboriosa, o estado comatoso é seguido de lucidez: ouvimos, compreendemos aquilo que ouvimos, estamos dentro de indefinível expectativa, conquanto em paz, ou naquele estado de inquietação que se experimenta perante o desconhecido. Ainda aí porém somos impelidos a entender que a alteração dos centros de percepção sensorial deve ser considerada, porque, conforme a condição do doente, esses núcleos estão, muitas vezes, obliterados ou parcialmente semi-destruídos, sem que o espírito, eterno, possa se fazer exprimir através das potencialidades cerebrais, assim como um violinista que, apesar de muita competência, por vezes, sente-se frustrado quando está diante de um instrumento desafinado e desarticulado. Nos processos de desencarnação violenta, é natural que se entenda a lucidez por estado mental muito difícil de reter-se; o cérebro entra em choque violento, a destrambelhar-se portanto nas mais íntimas estruturas. Em vista disso, os Amigos Espirituais afirmam que na desencarnação de improviso, somos habitualmente acometidos por um sono profundo, do qual despertamos entre aqueles que nos dedicam assistência e afeição na Vida Espiritual.




INFORMAÇÃO - Qual seria sua opinião, a situação do Espiritismo no momento, no Brasil e no mundo?


Chico -  O Espiritismo no Brasil é o Cristianismo redivivo. Religião e ação do Nosso Senhor Jesus Cristo, através das explicações de Allan Kardec, junto do povo e com o povo, ensinando-os com os princípios da evolução e da reencarnação, da fraternidade e da justiça, que todos somos responsáveis pelos próprios atos e que as leis divinas funcionam na Terra ou em outros mundos nos mecanismos da consciência de cada um. Os benfeitores desencarnados esperam que essa noção fundamental do Espiritismo no Brasil alcance as múltiplas escolas do Espiritismo existentes em outros Países.





INFORMAÇÃO - Como você vê o Movimento de Unificação?


Chico - Consideramos o assunto na base que o nosso benfeitor espiritual Dr. Bezerra de Menezes fixou numa de suas páginas, por nosso intermediário, quando o amigo espiritual afirmou que a Unificação do Espiritismo no Brasil é serviço urgente mas não apressado. Isso no momento nos pareceu um paradoxo, mas sem dúvida que essa confraternização dos tarefeiros espirituais é trabalho urgente, porque nós precisamos cogitar da nossa confraternização de ordem geral no campo da Doutrina, todavia esse trabalho não pode ser feito com muita pressa, porque os ingredientes para a realização dele são todos de ordem espiritual e nós não podemos agir com violência.




INFORMAÇÃO - Há alguma sugestão, em favor da concretização do movimento de Unificação no Brasil?


Chico -  Considero, de acordo com as instruções dos Benfeitores Espirituais, que é nossa obrigação trabalhar, quanto nos seja possível, pela nossa própria união em torno dos programas de trabalho traçados pelas entidades que nos dirigem, a fim de que elas, por seus diretores e representantes, possam tratar da unificação na cúpula de nossa construção doutrinária.




INFORMAÇÃO - De que forma os espíritas, em geral, poderiam contribuir mais diretamente para a Unificação?


Chico - Lembrando que Jesus e Kardec sempre uniram as criaturas pelo exemplo do amor ao próximo.





INFORMAÇÃO - Qual seria o papel do Centro Espírita no Movimento de Unificação?


Chico - Os nossos amigos espirituais sempre nos ensinaram a considerar os Centros Espíritas como a Escola mais importante da nossa alma, porque é no Templo Espírita que nós recebemos de outros e podemos doar de nós mesmos os valores que servirão a cada um de nós para a vida eterna. De modo que, nós damos tanta importância ao Estudo da Matemática, ou ao estudo da Química, que realmente são importantes, não podemos menosprezar as lições em torno da paciência, em torno da tolerância, que são atitudes da alma que nós não teremos sem estudar, sem raciocinar. Portanto, um Templo Espírita é uma Universidade de formação espiritual para as criaturas humanas, e por isso o Espírito de Emmanuel, que nos orienta as atividades desde 1931, empresta a maior importância ao Templo Espírita, porque o Templo Espírita revive as casas do Cristianismo simples e primitivo em que os nossos corações se reúnem em torno dos ensinamentos do Cristo, para a melhoria da nossa vida interior. Por exemplo, numa Faculdade de ensino superior, que nos merece o máximo acatamento, nós aprendemos Ciências que vão aperfeiçoar os nossos recursos intelectuais Mas, no Centro Espírita, orientado segundo os preceitos do Evangelho, nós vamos encontrar os estudos e os raciocínios adequados à nossa necessidade de vivência em paz no mundo com a vivência igualmente do Amor uns para com os outros, segundo o ensinamento de Jesus que nós não podemos esquecer: "Amai uns aos outros como eu vos amei..."





- continuação -



Macili
  • Administrators
  • 2.708 posts
  • Advanced Member
  • Last active: Jul 01 2018 11:43
  • Joined: 10 Nov 2012

Imagem Postada




Entrevista com Chico Xavier




INFORMAÇÃO - Como o Sr. vê a juventude atual?


Chico - Eu creio na juventude como sendo a esperança não só do Brasil como do mundo inteiro. A acusação que pesa sobre a chamada juventude transviada, eu quero crer que não procede, porque o número de jovens que se dedicam ao trabalho, ao estudo, à dignidade humana e à sua própria respeitabilidade no cumprimento de seus deveres, é ilimitado, e não podemos sacrificar essa maioria extraordinariamente maravilhosa, principalmente a juventude brasileira que conhecemos muito bem, à essa minoria, que em todos os tempos foi a minoria dos espíritos rebeldes, no campo da humanidade.





INFORMAÇÃO - Na juventude atual ainda há fé?


Chico - Creio que imensamente, mas com muita sinceridade. Toda criatura humana tem reservatórios infinitos de fé, e o jovem principalmente. Por exemplo, se nós que amadurecemos na experiência humana perdermos a fé nos jovens, não contaremos com futuro razoável nem com futuro tão sereno, tão produtivo, tão brilhante como desejamos. Todos temos fé na juventude e nós cremos que a juventude tem fé nas forças da vida, quando não estejamos pronunciando o nome sagrado de Deus. Já que estamos num período em que muitos jovens desejam que se fale uma linguagem mais moderna, isso é, fora da conceituação das religiões tradicionais, vamos, então dizer, como sinônimo de Deus, a Força da Vida. Todo jovem crê na força da vida, e para nós que cremos em Deus a forca da vida é Deus. Nós temos amigos jovens, que costumara dizer: Nós não cremos em Deus, nós cremos no homem; mas o homem é filho de Deus. E um pai que se vê acreditado no filho, sentir-se-á até muito mais feliz do que se as pessoas acreditarem nele, porque o homem é obra-prima de Deus. Todos os sistemas de fé raciocinada, fora do conceito da fé mística e da fé religiosa, que fazem do homem um ídolo moderno também é fé no futuro, e nós estamos certos de que essa mocidade maravilhosa dos nossos dias, estudiosa, realizadora, está caminhando para Deus pela fé com o mesmo entusiasmo com que nós caminhamos há quarenta, há trinta, vinte anos atrás.





INFORMAÇÃO - A inquietação da mocidade é medo da vida ou falta de entrosamento com o modo de pensar das gerações mais velhas?


Chico -  Os Amigos Espirituais asseveram que todos estamos; os espíritos atualmente encarnados na Terra; seja em posição de mocidade ou madureza física, sofrendo indisfarçável inquietação na procura de novas formas de pensamento e progresso, e que isso é um estado natural de ideias e de cousas, na renovação da Humanidade.





INFORMAÇÃO - Como os espíritos amigos interpretam o fenômeno da juventude de hoje, com as suas tendências libertárias?


Chico -  Os nossos amigos espirituais costumam dizer que devemos acolher no coração a mocidade atual, com suas características e os seus anseios de liberdade. Esclarecem, mesmo, que a maioria dos jovens atualmente reencarnados conosco na Terra, não se constituem de espíritos que procedam de faixas de evolução diferente da nossa. Em muitos casos, os jovens apresentam ideias, talvez caprichosas para nós outros - os que já atingimos a madureza - mas, estamos nas vésperas do próximo século, início do terceiro milênio. Atravessamos uma época de transição em que as ideias de liberdade e de renovação chegam até nós com um impacto muito grande. Assim precisamos compreender a jovem-guarda como a nossa família necessitada de orientação, de educação, como todos nós.

Precisamos estabelecer um acordo para que o jovem encontre apoio nos espíritos amadurecidos e os espíritos amadurecidos encontrem, também, a compreensão da chamada jovem-guarda. "O moço pode e o mais velho sabe"; convém que a experiência esteja unida à possibilidade de realização para que cheguemos, na Terra, ao verdadeiro progresso. A jovem-guarda merece a nossa consideração, o nosso amor, como se toda ela fosse constituída de filhos nossos, necessitados de amor, de assistência, de orientação. Todos nós, na juventude, também tivemos anseios de liberdade. Hoje, damos graças a Deus por todos aqueles que nos ampararam e nos apontaram o caminho, com paciência e com respeito, sem ferir, ou aumentar as nossas aflições de alma e nossos propósitos de progresso e evolução.





INFORMAÇÃO - Há consumo cada vez maior de psicotrópicos pelo adolescente; quais as razões que o levam a isso?


Chico -  Acreditamos que a ausência de preparação espiritual para facear os problemas e exigências da moderna civilização - civilização essa com traços do homem na Lua e milhares de crianças relegadas à penúria e ao analfabetismo nas furnas da Terra, - sugerem fuga a verdadeiras multidões de jovens e adultos na atualidade que passam a desrespeitar a função medicamentosa que a Providência Divina dotou os psicotrópicos, através da Ciência Médica, chamada no Mundo à elevada missão de aliviar e curar; essas multidões anseiam esquecer e tentam subtrair-se à preocupação, dopando a própria mente com o uso imoderado de drogas que não deveriam sair da esfera específica de socorro aos doentes para os quais foram criadas. O resultado, porém, é sempre contraproducente, de vez que todos somos espíritos eternos e mais dia menos dia, quantos pretendam omissão ou deserção, no trabalho que nos compete a cada um, em favor de todos, para a melhoria e aperfeiçoamento de nós próprios, despertarão em si mesmos com a obrigação de se reajustarem, ante as leis de responsabilidade pessoal, estabelecidas no mundo pelas Leis de Deus.





INFORMAÇÃO - O que o Sr. teria a nos dizer sobre o chamado "amor livre"?


Chico -  Com respeito ao amor livre em si, estou recordando, neste momento, uma trova que nos foi transmitida, mediunicamente, pelo nosso grande poeta brasileiro Aldemar Tavares, que se distinguiu muito como trovador e foi, até, o Rei da Trova Brasileira. Escrevendo por nosso intermédio, em Uberaba, ele psicografou uma trova nestes termos:



"Amor livre, uma expressão,

Que vive a se contrapor;

Amor em si não é livre,

Se é livre, não é amor!"





INFORMAÇÃO - Em face do desenvolvimento mental da criança, da influência dos meios de comunicação do processo de aprendizagem, justificar-se-ia a programação de aulas predominantemente de Doutrina Espírita?


Chico -  Pelo menos depois dos 8 a 10 anos de idade, acreditamos que sim, porque a mente infantil dos 9 e 10 anos de idade, já se encaminha para uma posição consolidada na reencarnação, que a criança está começando a viver. Aos 10 anos, dos 10 aos 12, temos um mundo de informações para dar à criança, e isso a nosso ver é muito necessário, porque a criança está encontrando hoje, um mundo muito diferente daquele que os adultos de agora encontraram há 40, 50, 30 anos atrás.

Há muitos pequeninos que são chamados aos 8, 9, 10 e 11 anos de idade a facear problemas que só adultos conheciam há 10 anos passados. Hoje, autoridades da Europa e da América do Norte, em diversos comentários e estudos de revistas de divulgação científica, muitas autoridades andam impressionadas com o suicídio entre crianças, suicídio de crianças de 10, 11, de 12, de 13. Estes suicídios nesta idade não eram comuns, nem eram mesmo conhecidos há 15, 20 anos atrás. Crianças que sofrem a perda de pais ou que são abandonadas pelos pais e que se suicidam mesmo, se afogam, se envenenam, procuram armas, atiram contra si próprias. Isto é um problema sério para todos aqueles que se sentem vinculados à tarefa de socorro à criança.





INFORMAÇÃO - O que o senhor tem a nos dizer sobre material didático constante de apólogos e símbolos para as Escolas Espíritas de Evangelização, desde a faixa de 5 a 13 anos?


Chico -  Nós estamos vendo muita discussão em torno deste assunto, por toda parte. Uns não querem que a criança ouça apólogos com vozes humanas em animais, outros exigem que este material seja posto em função. Não estando dentro do movimento de educação da criança nos meios espíritas, nós não temos o direito de opinar, porque só devemos opinar num assunto quando estamos em atividade dentro dele. Mas, como criatura humana que sou, creio que até os 6 anos, nessa faixa, uma árvore, uma borboleta, uma fonte, uma andorinha conversar, isto ajuda muito a criança. Agora, depois dos 6. 7 anos é interessante que a criança entre num mundo de realidades objetivas, para que ela não acuse o adulto de mentiroso.

Mas, não devemos levar tão longe essa ideia de que estejamos mentindo. A criança nos primeiros tempos de vida, tem necessidade da história tocada de amor, tocada de ternura, beleza, espiritualidade. E o apólogo em que os animais comparecem conversando entre si, dando lições, este apólogo é sempre um agente muito proveitoso no esclarecimento da mente. Não vemos nenhum incoveniente, mas deixamos os assuntos para os técnicos.





INFORMAÇÃO - Qual a tarefa do dirigente espírita junto aos evangelizadores?


Chico -  Cremos que o dirigente de instituição Espírita, a nosso ver, deveria prestigiar ao máximo o trabalho dos evangelizadores, porque eles funcionam dentro da Organização Espírita Cristã, corno legítimos educadores dos pequeninos que amanhã tomarão o nosso lugar, em todos os setores da experiência terrestre.

Esse trabalho é grande e sublime demais para ser subestimado, por isso mesmo nós admitimos, que o assunto não pode escapar do apoio dos dirigentes espíritas, que, naturalmente, se estão devidamente conscientizados de suas tarefas, hão de apoiar os professores como sendo companheiros dos mais estimáveis na Seara Espírita Evangélica.





INFORMAÇÃO - O que o senhor acha da realização de Simpósios sobre Evangelização da Criança?


Chico -  Nós acreditamos que é uma necessidade, porque favorece a troca dos pontos de vista e dos estudos experimentais que possam ser realizados em torno da educação espírita-cristã, dedicada à criança; antes da ministração de ensinamentos mais claros e mais definitivos da Doutrina Espírita, aplicada à nossa própria vivência, no caminho comum da Terra. O Simpósio é como se fora uma reunião de pais ou responsáveis observando que tipo de alimentação pode ser dado a determinadas comunidades infantis. Antes das lições em si, o Simpósio é sempre uma preparação de contatos. E nós não podemos esquecer isto, sem nos perdermos na precipitação, que acaba sempre em prejuízo e em atividade inútil dentro de nossas instituições.





INFORMAÇÃO - Quais as matérias que os Espíritos gostariam que fossem estudadas nestes Simpósios?


Chico -  Temos ouvido o Espírito de Emmanuel há muitos anos com respeito a estes assuntos, e ele admite, sem nenhuma exigência, porque os nossos amigos espirituais não nos violentam em atitude alguma, ele considera que seria muito interessante os professores encarnados na Terra, e que se encontram nessa maravilhosa tarefa de preparação do futuro na mente infantil, ele considera que seria interessante reuniões deles, selecionando os temas espíritas, dentro da atualização dos nossos processos atuais de vivência, para que a criança possa desenvolver para a vida adulta, com o conhecimento possível das estradas e experiências que a esperam no dia de amanhã. Nós sempre nos desvelamos em nossas casas, no ensino da bondade, do perdão, das atitudes evangélicas em si, mas precisamos descobrir um meio de comunicar à criança, algum ensinamento em torno da Lei da Causa e Efeito, mostrando determinados tópicos dos mais expressivos para o mundo infantil, com respeito à reencarnação, o problema da imortalidade da alma. Muitas vezes, encontramos crianças traumatizadas pela perda de irmãos pequeninos, pela perda dos pais, pela perda de amigos, de parentes próximos, e nos esquecemos de que os pequeninos também, esperam uma palavra de consolo e esclarecimento, qual acontece com os adultos, diante dos processos de desencarnação. E muitas vezes, nós esquecemos de conduzir a criança para este tipo de lição, para este tipo de comentários, com receio de apressar na mente da criança determinados pensamentos com relação à morte do corpo Precisávamos estudar quais os meios de começar a oferecer a criança, bases para que ela se conheça no mundo em que está vivendo e naquele mundo social em que ela vai viver. Mas, é assunto dos professores, porque os espíritos amigos dizem sempre que, aqueles que se reencarnam na Terra pare determinadas tarefas, não devem ser incomodados com opiniões estranhas a eles mesmos desde que, se eles receberam estes encargos, é porque eles os merecem, e está na órbita das responsabilidades deles. Os professores espíritas reencarnados têm essa responsabilidade asse encargo a cumprir, selecionar os assuntos, para fortalecer e amparar a criança diante do futuro.





Fonte: FEEC - Federação Espírita do Estado do Ceará






0 usuário(s) está(ão) lendo este tópico

0 membros, 0 visitantes, 0 membros anônimos