Web Toolbar by Wibiya A Casa Espírita e os primeiros socorros - Centro Espírita - Chico Xavier

Ir para conteúdo

Bem-vindo ao site Chico Xavier
Crie sua conta agora para poder ter acesso a todas as funcionalidades e recursos. Para criar nova conta demora apenas alguns asegundos e vai poder criar tópicos responder a mensagens, interagir com outros usuários, baixar arquivos (downloads, apresentações, documentos,...) e muito mais!
Entrar em sua conta Criar nova conta agora

A Casa Espírita e os primeiros socorros

- - - - - Palavras de Vida Eterna

  • Por favor, faça o login para responder
Não há respostas para este tópico
Macili
  • Administrators
  • 2.715 posts
  • Advanced Member
  • Last active: Set 03 2018 05:44
  • Joined: 10 Nov 2012

Imagem Postada



A Casa Espírita e os primeiros socorros



Sabemos que a casa Espírita é um hospital de Almas e, por isso mesmo, precisa estar preparada para prestar os “primeiros socorros” aos que a buscarem, na procura de alívio para suas necessidades, sejam quais sejam. Inicialmente, devemos colocar em ação todos os recursos disponíveis, na instituição, para amenizar a dor física, ou seja, a sua carência material, se esse for o caso, pois ninguém que procure uma casa espírita em busca de ajuda para sua necessidade, estando com fome, frio ou com fortes dores que o estejam atormentando etc. estará devidamente equilibrado para ouvir pregações religiosas ou mesmo ouvir falar de Jesus, dos Bons Espíritos etc.

Sendo o espiritismo o “Consolador” prometido por Jesus, sua primeira função é justamente consolar, isto é, fornecer o que lhe for favorável ao atendimento de sua urgente carência. Posteriormente, estando o indivíduo em melhor situação em relação ao instante de sua chegada, procurar transmitir-lhe as adequadas orientações para seu caso, pois, para que alguém absorva os esclarecimentos necessários ao seu aprendizado, é preciso esteja em sua normalidade física, isto é, que esteja saudável, equilibrado, em condições de ouvir e entender o que lhe está sendo transmitido.

Efetuado o atendimento de “emergência”, faz-se imprescindível que o tarefeiro espírita esteja devidamente preparado para saber encaminhar o irmão, agora já em melhores condições, para as outras atividades da casa, onde melhor lhe possam ser oferecidos consolo e esclarecimento, quer seja encaminhando-o ao atendimento fraterno ou às reuniões doutrinárias e, se já for o caso, aos grupos de estudo da casa, que deve ser o objetivo primordial de qualquer atendimento, nas casas espíritas, para que ele se equipe de informações pertinentes ao seu estado de Ser imortal, criado para a felicidade e para a perfeição e que só dele depende alcançar esse objetivo de todo discípulo de Jesus e, particularmente, de todos os seguidores da Doutrina Espírita.

Dessa forma, faz-se urgente que as instituições espíritas dediquem-se à formação e preparação de grupos de tarefeiros, destinados a esse mister, evitando, assim, que a prática da “caridade” seja simplesmente voltada aos sofrimentos físicos, o que pode transformá-lo em eterno carente, incapaz de aproveitar as oportunidades que a vida lhe concede e procurar alertá-lo para a responsabilidade de progredir e se aperfeiçoar, pois a verdadeira caridade tem como meta prioritária o Espírito, fadado à felicidade e à perfeição.

Precisamos observar que a caridade precisa ser exercida com sabedoria e com amor, em perfeito equilíbrio, pois, efetuada sem o concurso do amor, é como marco no deserto escaldante que aponta o caminho de saída ao viajante exausto, mas não lhe retira a sede do momento, ao passo que, efetuada sem a presença da sabedoria, poderia se transformar em água cristalina, em lugar escuro, que retira a sede do viajante, mas não lhe dá o caminho de saída.

Sobre o assunto, o benfeitor Emmanuel nos esclarece: “Procuremos alicerçar a fé na bondade, para que nossa fé não se converta em fanatismo, mas isso não basta. É forçoso coroar a fé e a bondade com a luz do conhecimento.

Todos necessitamos esperar no Infinito Amor, todavia, será justo aprender “como”; todos devemos ser bons, contudo, é indispensável saber “para quê”.

Eis a razão pela qual se nos impõe o estudo em todos os lances da vida, porquanto, confiar realizando o melhor e auxiliar na extensão do eterno bem, realmente demanda discernir”.¹

Que o Mestre de Nazaré nos inspire em nossas ações em prol do bem e da paz, hoje e sempre.


Bibliografia:
1) Xavier, Francisco Cândido. Palavras de vida Eterna - Comunhão Espírita Cristã, 24ª edição – Cap. 122.

Publicado no Jornal "O Clarim" edição de dezembro de 2010.


Fonte: Francisco Rebouças - Espiritista





0 usuário(s) está(ão) lendo este tópico

0 membros, 0 visitantes, 0 membros anônimos